quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Sobre apropriação

Todo mundo quer ser preta sob os flashs da câmera fotográfica, cabelos e batom coloridos, óculos de sol, turbantes, background da favela e tudo mais. Todo mundo quer ser preta pra postar no facebook a foto 'afropunk-style-atitude'.
Mas ninguém quer ser preta quando as luzes abaixam. Ninguém quer ser preta quando se é vítima de racismo, quando se é pouco levada a sério no mercado de trabalho, quando se é hipersexualizada, objetificada, preterida. Ninguém quer ser preta quando o padrão estético diz que seu cabelo é duro, sua pele escura demais e seus traços feios, ou quando criança você chorava se odiando, ou até mesmo quando você liga a tevê ou vê propagandas e não se enxerga em lugar nenhum. Ninguém quer ser preto quando a polícia te coloca como suspeita e quando seus irmãos e irmãs são sumariamente executados diariamente. 

Irmãs pretas, continuemos nos empoderando, na luta e também exaltando nossa estética que é símbolo de resistência.
As mina branca, parem com isso que tá feio.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

São tempos difíceis para os sonhadores


Menina Amelie Poulain sabiamente falou: "são tempos difíceis para os sonhadores". São tempos de pouca doçura. Precisamos de abraços ternos, olhares profundos, sentimentos transbordantes. Chega de desentendimentos, larguemos os rancores de mão. 
A gente cresce e desaprende a nadar em rios profundos. Pelo medo de se afogar deixamos de navegar por marés de felicidade. Por medo de morrer, deixamos de viver. Por medo de sofrer, perdemos momentos incríveis. Apenas olhando pela janela perdemos o perfume das flores do campo. É melhor correr entre ele, vento na cara.
São tempos difíceis para os sonhadores, mas nunca devemos desistir de sonhar.

O seu corpo é uma floresta

"Me escute, o seu corpo não é um templo. Templos podem ser destruídos e profanados. O seu corpo é uma floresta - densas copas de árvores de bordo e flores silvestres de perfume doce brotando na relva. Você vai voltar a crescer, de novo e de novo, não importa o quanto você tenha sido devastada"

domingo, 29 de novembro de 2015

Triz

Diz que vai até o fim
Porque eu já tô por um triz
E tudo ainda está aqui,
Copo na mesa, o sol, sofá
E agora, onde você está?
A voz só no rádio
Vou andando, procurando
Pra vê  se me esbarro em sua sombra

Saiba, é que aqui tá só saudade
E tá difícil os dias passarem
Ando distraída
Tentando curar as feridas
Sem ser o seu lar

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Preciso falar de 'Que Horas Ela Volta'

Faz tempo que não falo sobre filmes por aqui (na real, faz tempo que escrever aqui se tornou inconstante, principalmente no que se refere a textos-além-de-poesias-e-composições). Talvez um dos motivos que me fizeram diminuir a constância de falar sobre filmes no blog (além do fato de que tenho assistido, em geral, poucas produções), é que, findada a faculdade de jornalismo (que me possibilitava bastante proximidade do curso de cinema, já que andava na turma e assistia às aulas, além de ter várias matérias e trabalhos de audiovisual) e me dedicando apenas ao lado prático da profissão (o que acaba limitando-me à área que atuo no momento - que não passa próximo ao vídeo), fui perdendo um pouco do olhar mais técnico do cinema e restando mais a parte crítica conteudista mesmo.
Enfim. Pouco tempo atrás li o livro, assisti o filme e pensei em escrever aqui sobre 12 Ano de Escravidão. Mas acabou que o tempo foi passando e terminei não escrevendo. Já essa semana, finalmente, assisti Que Horas Ela Volta, e dessa vez afirmei que 'precisava' falar sobre esse filme (não que meu texto seja assim tão importante).


É com uma linguagem simples e bastante direta que a diretora Anna Muylart nos apresenta a Val, personagem belissimamente interpretada por Regina Casé. Ela é uma empregada doméstica natural do Recife, mas que há mais de uma década mora em São Paulo, onde trabalha em uma casa de classe média alta e vive na residência dos patrões. Val cuida do Fabinho (filho dos patrões) com zelo, quase que substituindo o papel da mãe biológica do menino, porém, pra isso, não pode criar a sua filha Jéssica, que mora com uma tia em Pernambuco e para a qual a empregada manda dinheiro todo mês. O filme fala sobre o drama de milhares de mulheres pobres que para 'ganhar a vida' cuidam de crianças ricas, tendo que comprometer a criação de seus próprios filhos.
A patroa 'Dona Bárbara' diz que Val é 'quase da família', mas percebemos que esse é apenas o discurso superficial típico da classe alta que acha um grandessíssimo favor tratar os empregados com o mínimo de dignidade, mas que na real sustenta um abismo social. Val não come na mesma mesa que os patrões, nem mesmo da mesma comida, vive em um quarto precário (mesmo que na casa tenha um quarto de hóspedes incomparavelmente mais confortável e que fica praticamente vazio), não pode entrar na piscina, é diminuída e conta com quase nenhuma consideração. Vale ressaltar que o personagem Carlos, o patrão, quer demonstrar a imagem social de 'moderno-artista-mente-aberta', mas reafirma a todo o tempo a grande separação entre patrão e empregada.
É então que a filha de Val, a Jéssica, resolve ir pra São Paulo para prestar vestibular em arquitetura na USP, o mesmo vestibular que Fabinho vai prestar. É visto então, o novo momento social que vivemos, com pobres tendo acesso às universidades antes patrimônio intocável dos ricos (e também andando de avião).
Quando Jéssica chega e vai morar junto com a mãe na casa dos patrões, ela acaba por fazer uma reviravolta. A jovem não concorda com as normas da casa que enaltece as diferenças entre as classes, as questionam e as quebram. Jéssica representa, justamente, essa nova cara das classes mais baixas, que está lutando pela quebra das barreiras (SPOILER ON: inclusive a menina passa no vestibular, ao contrário do garoto rico. SPOILER OFF). Já Val, movida pela necessidade da vida, foi catequizada na doutrina da subserviência e ideia de que ela não merece tratamento melhor do que aquele. Os conflitos são colocados a tona. 
Junto a trama principal, Carlos começa a dar em cima de Jéssica, mostrando a ideia classista e machista de que: a empregada não merece um bom tratamento dele, mas a filha dela, que é bonitinhas e inteligente, merece uma 'maior atenção e bom cuidado', o que na verdade é traduzido em assédio.
Caminhando pro fim (SPOILER ON), Val descobre que Jéssica, ao vir estudar em São Paulo, deixou no Recife um filho, o que alerta para um fato na vida de muita gente, principalmente das classes mais pobres: a repetição de realidades por gerações. Porém, tendo passado por o afastamento de mais de dez anos da filha, Val não quer que isso se repita, e seu posicionamento diante disso representa o rompimento com a família para a qual trabalha (SPOILER OFF).
Pode ser que ao assistir Que Horas Ela Volta alguém discorde de meus posicionamentos e o enxergue sob um outro prisma. Mas valerá de toda forma assistir e por isso recomendo muito, seja pela crônica social ou pelo simples admirar da sétima arte.





Adiantando as 'boas vindas' a 2016

Eu desacredito bastante nessa coisa de 'mês ruim', 'ano ruim' e tal, porque penso que as coisas que acontecem não têm relação nenhuma com o mês/ano em si, e sim o desenrolar da vida como ela é.
Porém, conversando com diversas pessoas que conheço, é quase consenso, 2015 está sendo um ano de bad. Reparo isso com base nos acontecimentos sociais e políticos (turbulências, resistência, enfrentamento, retrocessos), acontecimentos da vida de gente próxima (salvo algumas exceções), mas sobretudo pela minha life mesmo.
Um dos únicos ganhos na minha vida em 2015 (porém importantíssimo) foi ter conseguido um emprego no qual eu estou bastante feliz e satisfeita (e por sinal, o meu primeiro emprego 'de verdade'). Inclusive, por conta do novo trabalho, conheci algumas das pouquíssimas pessoas novas deste ano (ressalto que, em geral, são pessoas ótimas; algumas, especialmente, maravilhosas). Porém, exceto a 'firma', as new peoples? Só uma, talvez (e tem um talvez), que eu possa destacar, e algumas outras assim, bacanas.
No mais, houve sim momentos ótimos. Tive encontros maravilhosos com amigos e afins, fiz algumas viagens, estreei finalmente em uma banda (na qual nem estou mais, mas tudo bem), estreei um programa de rádio (que também nem rola mais, mas tudo bem também), enfim.
But, foi um ano de perdas. Perdas em vários sentidos. Foi um ano de desencontro, de confusão (babado e gritaria), desentendimento, desilusão, coisas 'caindo por terra', decepções amorosas (uma superada, outra que ainda é uma incerteza), meu desejo de aniversário (e de reveillon, que no caso foi o mesmo desejo) não se concretizou, etc, etc.
Estamos no comecinho de novembro, quase o fim do ano. Talvez até lá as coisas podem dar um pouquinho mais certo (assim espero), ou podem destrambelhar de vez (há chances plausíveis pra isso), vamo esperar pra ver colé.
Dizem que anos assim precedem anos de conquistas. Ainda não tá na época de 'esperar coisas de 2016', mas anseio que o ano que vem seja a construção de coisas que não deram certo em 2015 e a continuação e consolidação de algumas coisas iniciadas. 
Bom, uma das mudanças do ano (não sei ainda se pela parte boa ou ruim), é que meu ateísmo foi um pouco questionado por mim e comecei a pensar/estudar/frequentar/tentar entender coisas do xamanismo (ai, e também to a loka dos signo). Então, que a "grande mãe traga ao nossos corações as chaves que abrem" caminhos no ano a seguir - e em todos os anos seguintes pfv. 

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Bamba

Vou de canto em canto
Inventando canto pra te procurar.
Ando corda bamba
Passo em falso, dança
De par em par.
Em ti que é meu lar
Em ti é o riso que vivo a sonhar
É leve e livre o meu mar
Há beleza no olhar
Na flor que brota e eu rego
Nesse jardim, errado ou certo
É gangorra  a me levar
De cá pra lá
Voa no céu
Cobertos pelo véu da noite
E a alvorada que chega 
E clareia o que ainda não há
Mostra pra mim
Onde é o meu lugar

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

poucas palavras, muito senitr

As vezes faltam palavras para explicar. Mas talvez seja por isso o quanto amo sentir. Te sentir. As vezes em mim, as vezes por aí. E o meu amor é lindo, leve e livre. Porque adoro te ver daí: com o seu amor terno, com sua luz radiante. Ainda não pude pronunciar. Mas não sei se é tão necessário assim. Prefiro sentir. Mesmo que seja longe. Mas de perto, de preferência. Minha cabeça sob seu colo, meu olhar fixo ao teu, minhas mãos em seus cabelos, o seu cheiro aqui, nossos papos sinceros, os seus beijos, o seu toque, quando vem se molhar no meu (a)mar. Não é que me basta, mas meu coração sorri contigo e por ti, e isso já é lindo demais. 

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Rio - sereno e intenso

Da minha boca guardo o melhor para ti,
Mas as palavras ainda estão fechadas em mim...
Contos de amor
Quero eternizar o que for pra sentir
Minha grande paz, meu gás
Minha bagunça
Me desarruma, desapruma
Será que é preciso pronunciar
O que já denunciei no olhar,
O que já mostrei no laço que faço de ti?
Meu coração está perto do seu
E é grande o que posso sentir
Como tu já é eterno aqui
Do lado de dentro
Te invento e reinvento
Pois a nossa alma junta
É rio sereno e intenso

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Sobre Jout Jout



Foi Fran que me falou pela primeira vez. Mandou para o grupo do whats, mas eu nem abri o vídeo, pura preguiça. Quando fui na casa dela, ela repetiu o quanto eram engraçados os vídeos da Jout Jout e, então, assistimos juntas: foi pura e muita risada. Não daquelas forçada nem nada, risada solta, do tipo quando você se identifica com uma coisa, sabe. E na verdade foram muitas coisas que me identifiquei.
Escolher os vídeos que mais gosto é um pouco complicado, já que é uma lista não muito curta: tem o 'calcinha boa é sem calcinha', 'guarda esse peru', 'de: julia de 23 para: julia de 13', 'com ela x sem ela', 'passinho e puxa', 'teoria da peneira', '9 coisas que vocês não sabem sobre nós', 'cocô a dois', 'o que vivi no tinder', 'vai de copinho', 'kit de expressões para o natal', '11 coisas que nós não sabemos sobre vocês', 'jout jout rural', 'um banho suave', 'milho', 'kit de expressões para o carnaval', 'porque malhamos as coxas', 'certezas da adolescência', 'para analisar arte direitinho', 'presente de aniversário', '50,5', 'o caio que vem de dentro', ufa, cabô.
Quero ser amiga de Jout Jout! Apois, ela adora cachorros, faz dancinhas esquisitérrimas típicas de quem não sabe dançar, me apresentou a maravilhosa teoria da peneira que me deixou muito afim de encontrar Jorge, além de ter criado o funk do cajado melhor funk.
Mas eu quis falar sobre Jout Jout aqui principalmente por enxergar nela um 'respirar' das minas nesse mundo dos vlogs e tendências das internets. É um vlog de mina para as minas e sobre as minas, sem clichê. Ela fala sobre coisas que dizem que menina não diz (mas dizemos sim, e muito), é a desconstrução, no seu simplismo do cotidiano.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Nada de novo sob o sol

Nas lutas, seja dos pretos ou feminista (ou tantas outras, cito essas porque eu as vivencio), ficamos num misto de empatia e depois decepção com os ditos 'aliados'. E o que seriam esses 'aliados'? Pessoas que não vivenciam, mas dizem acreditar e lutar pela causa.
Eu acredito e respeito várias causas as quais não me pertencem, como a das lésbicas, gays, gordos e pessoas com deficiência, mas nunca devo tomar o poder de fala destes ao falarem de suas questões, tenho que admitir meu papel privilegiado e desconstruir diariamente os equívocos.
Essa é a premissa básica. Querer falar pelo outro não é apoiar. E olha, é dificílimo achar pessoas que compreendam isso.
Na questão da luta das mulheres, homem adora dizer que apoia, mas não querem 'meeeeeixmo' ao menos reconhecer os seus privilégios. Aí continuam querendo ditar, dizendo como as minas devem agir, pelo que devem lutar, falar, fazer. Peraí cara, opressor tá querendo mandar no oprimido desde sempre.
A conclusão é que vou começar a seguir o ensinamento de que, ao invés discutir com omi sobre empoderamento e espaço de fala das mulheres (ou afins), é melhor usar esse tempo e energia para empoderar as mana.
Moço, você já tem poder de fala em toda a sociedade e sempreeee teve. Nas minhas lutas, o que você acha não vale nada. 

A listinha de frases clichês, mas que valem a pena sim usar:
- Se tá incomodando o opressor, é porque, provavelmente, estamos no caminho certo;
- Feminismo não tá aqui pra agradar omi não;
- Não confunde a reação do oprimido com a violência do opressor.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Nós

Desfaz esse nó na minha gargante 
E faz nós.
Desfaz essa dor no meu peito
E faz seu leito.
Esvai minha vontade,
Como nas noites azuis de verão

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Tire seus padrões do meu corpo e da sociedade


Dizem, nêgo, que esse seu cabelo crespo (ou ruim, como falam) tem que ser alisado, o seu nariz grande tem que ser afilado. Nossas meninas, sobretudo, crescem aprendendo a se odiar. Ser negro é lindo, nêgo, mas com traços finos, por favor.
E essas meninas crescem e querem mudar pra se adequar aos seus padrões. Mas agora você diz que a 'neguinha' não quer se valorizar. Afinal, quem impôs esses padrões? Quem nos ensinou a nos odiar?
Dizem que é vitimismo. Você faz mimimi, nêgo. Mas qual é a cor dos nossos representantes de empresas, entidades, órgãos e políticos? 

Luta, preto, grita, tire os padrões do meu corpo e da sociedade, porque ela é nossa.

(E, por favor, lôro, tira essa camisa de Zumbi)

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Alternative-se na rádio


De um simples blog de divulgação de notícias e eventos esporádicos da cena underground da Região Metropolitana de Salvador, o Alternative-se cresceu e virou um evento que já chegou a sua terceira edição e levou ao palco, em Camaçari, diversas bandas da Bahia, de rock, rap, e até samba, além de batalha de MCs e discotecagens que foi desde o ragga até o hard.
Agora, o Alternative-se criou mais um mecanismo para fortalecer a cena menos difundida pelas grandes mídias, sobretudo da cidade 'da árvore que chora': trata-se do programa na rádio Camaçari FM, que acontece todo sábado, as 18h.
As artes alternativas configuram-se como movimento cultural da cidade e manifestam-se na vida de Camaçari, seja nas praças, espaços de show, equipamentos culturais e bairros, e o Alternative-se propõe dar voz a estas, dando destaque a artistas da música alternativa, sobretudo da Bahia, mais especificadamente de Camaçari.
Além da música, serão valorizadas outras manifestações artísticas alternativas, como teatro, artes circenses, plásticas e visuais, dança, poesia, literatura e quadrinhos. Também será dado destaque a esportes ligados à cultura alternativa, como patins, bike, skate, surf e slakline.
Então, fiquem ligados: todos os sábados, das 18h às 19h na Camaçari FM, pelo 87,9 do rádio (pega em alguns bairros de Camaçari), pelo site www.camacarifm.com.br ou baixando o aplicativo (http://migre.me/pu1aO) para dispositivos Androids.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Desencanto

Devolva o que me deve
E pague os meus sonhos
Que ficaram para trás
Que você me prometeu
E me tirou a paz.
Foi sem dizer adeus
Foi sem olhar pra trás
Como se o que passou
Só fosse ilusão,
Mas foi meu coração
Que você despedaçou
E eu desperdicei esses dias
Tento encontrar alegria
Que não acho mais em lugar algum

"Você me fez mudar
Mas depois mudou de mim"

terça-feira, 31 de março de 2015

Festival Alternative-se III


Em sua terceira edição, o Festival Alternative-se promete agitar a cena rocker de Camaçari, levando ao palco do John Sebastian Bar o show de seis bandas do underground baiano, no próximo sábado, 4 de abril, a partir das 19h.
Representando a cidade do Polo, tocam a Elefante Grego, Ultrasônica, que retorna a cena após hiato, e a estreante Drops Sedativos. Além disso, se apresentam as bandas Novelta, de Feira de Santana, Bilic Roll, de Lauro de Freitas, e Sanitário Sexy, diretamente das cidades de Juazeiro e Petrolina.
O Alternative-se ainda conta com a discotecagem afiada do Pivoman e o Brechó Cabi-De Novo. Não fique de fora e compareça a noite mais alternativa da cidade.
Os ingressos custam R$ 10 e estarão a venda no balcão da Invert Skate Shop, localizada na avenida Francisco Drumond, Centro, em frente ao Hotel Lima. As entradas também serão vendidas no dia e horário do show, na bilheteria do John Sebastian Bar, na avenida Eixo Urbano Central.


Serviço

- Quando: 4 de abril, às 19h
- Onde: John Sebastian Bar (avenida Eixo Urbano Central, Centro - 'Cozidinho' - Camaçari)
- Quanto: R$ 10

- Bandas: Drops Sedativos, Elefante Grego, Ultrasônica, Novelta, Bilic Roll, Sanitário Sexy + discotecagem de Pivoman
+ Brechó Cabi-De Novo

sábado, 7 de março de 2015

lost

Era como seu tudo estivesse de cabeça pra baixo/ e aquilo que acreditava não importava mais. //Não se encontrava em lugar nenhum/ se via só no meio do mundo// Era essa apatia que te desconsertava/ te inquietava e arrancava o choro/ que ela nem sabia o porquê// Não sabia o que fazer/ pois perdeu os laços que te amarravam a si// E já desfeita, com a alma perdida/ ela estava esgotada/ facilmente se formavam as feridas// Era a dor da alma que não se apagou

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Por do sol

Os olhos brilhantes
Já se perderam
Ou é só desespero meu?
Tão fugitivo de mim
Escorre por entre os dedos
Mas quando há graça
Se agarra sem medo.
E até agora espero uma resposta
Aflição, da paz que se esgota
E essa pieguice
Que tanto fujo
Mas me abraça
Mesmo que eu tente me afastar.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Ciranda

Éramos reis
Você e eu
Em nosso castelo
Foi conto de fadas.
Me coroou
Como a mais feliz
Desse laço que fiz
Dos seus braços.
E o sorriso mais lindo que vi,
Teu olhar foi só meu.
Fui seu par,
Fui seu lar.

Nessa ciranda
Dançou, bebeu
Fumou, 
Tremeu
Morreu de amor